quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Bento XVI despediu-se do Vaticano como peregrino


Bento XVI despediu-se hoje dos fiéis como um “peregrino”, na última aparição pública do pontificado, que se concluiu às 20h00 de Roma (menos uma em Lisboa) por decisão do Papa, que apresentou a sua renúncia.
“Sabeis que hoje é um dia diferente dos outros, já não sou Sumo Pontífice da Igreja - sou-o até às oito da noite, depois já não -, sou simplesmente um peregrino que inicia a última etapa da sua peregrinação nesta terra”, declarou, desde a varanda do palácio apostólico de Castel Gandolfo, arredores de Roma, propriedade da Santa Sé.
O Papa emérito mostrou-se “feliz” à chegada a este local, vindo do Vaticano, de onde tinha partido em helicóptero, sobrevoando a Praça de São Pedro, às 17h07 de Roma.
“Quero ainda com o meu coração, com o meu amor, com a minha oração, com a minha reflexão, com todas as minhas forças interiores, trabalhar para o bem comum, para o bem da Igreja e da humanidade”, acrescentou, ao som das palmas dos presentes e dos sinos.
Bento XVI, de 85 anos, concedeu uma bênção aos presentes, “do fundo do coração”, convidando todos a avançar "juntos no Senhor, pelo bem da Igreja e do mundo".
“Obrigado, boa noite, obrigado a todos vós”, foram as palavras finais do pontificado, iniciado em Abril de 2005, por volta das 17h41 locais, após um discurso com pouco mais de dois minutos.
O momento final do pontificado foi assinalado pela partida da Guarda Suíça e o encerramento dos portões da residência pontifícia.
Este foi o único sinal visível do início da Sé vacante – período entre a morte/renúncia de um Papa e a eleição do seu sucessor – à hora determinada pelo próprio Bento XVI quando apresentou a resignação, no último dia 11, justificando a decisão com a sua “idade avançada” e falta de forças.
No pontificado de Bento XVI foram canonizados 44 santos em 10 cerimónias, incluindo o português Nuno de Santa Maria, D. Nuno Álvares Pereira, a 26 de Abril de 2009; Portugal conta também com duas novas beatas: Rita Amada de Jesus (beatificada a 28 de maio de 2006, em Viseu) e a Madre Maria Clara (21 de maio de 2011, Lisboa).

OC

Fonte: Agência Ecclesia

Fami e Paulo

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Bento XVI despede-se em português apresentando renúncia como «inovação»


 
Cidade do Vaticano, 27 fev 2013 (Ecclesia) – Bento XVI afirmou hoje no Vaticano que a sua decisão de renúncia ao pontificado, que se conclui esta quinta-feira, implicou uma “inovação” e disse que a mesma foi para o "bem da Igreja".
“Dei este passo com plena consciência da sua gravidade e inovação, mas com uma profunda serenidade de espírito”, explicou o Papa, em português, perante mais de 150 mil pessoas reunidas na Praça de São Pedro, para a última audiência pública do pontificado.
À imagem do que fez no último dia 11, quando anunciou a resignação, Joseph Ratzinger, de 85 anos, explicou a sua renúncia com a idade avançada e a falta de forças.
“Sentindo que as minhas forças tinham diminuído, pedi a Deus com insistência que me iluminasse com a sua luz para tomar a decisão mais justa, não para o meu bem, mas para o bem da Igreja”, precisou.
O Papa agradeceu “o respeito e a compreensão” com que foi recebida a sua decisão de renunciar ao pontificado e deixou uma promessa: “Continuarei a acompanhar o caminho da Igreja, na oração e na reflexão, com a mesma dedicação ao Senhor e à sua esposa que vivi até agora e quero viver sempre”.
Bento XVI sustentou que um Papa “não está sozinho na condução da barca de Pedro [Igreja Católica], embora lhe caiba a primeira responsabilidade”.
“Nestes quase oito anos, sempre senti que, na barca, está o Senhor e sempre soube que a barca da Igreja não é minha, não é nossa, mas do Senhor”, prosseguiu.
O Papa evocou o dia da sua eleição, a 19 de abril de 2005, lembrando que na altura falou num “grande peso” que lhe era colocado sobre os ombros.
“O Senhor colocou ao meu lado muitas pessoas que me ajudaram e sustentaram”, observou.
Bento XVI disse que vai continuar a “acompanhar a Igreja” com a sua oração e pediu aos fiéis que rezem por si e pelo seu sucessor.
“Peço que vos recordeis de mim diante de Deus e sobretudo que rezeis pelos cardeais chamados a escolher o novo sucessor do Apóstolo Pedro. Confio-vos ao Senhor, e a todos concedo a Bênção Apostólica”, apelou, em português, uma das 12 línguas em que o Papa interveio esta manhã.
 
OC
 
 
 

Última audiência pública: "Renúncia não é regresso à «vida privada»"


Cidade do Vaticano, 27 fev 2013 (Ecclesia) – Bento XVI concedeu hoje a última audiência pública do seu pontificado, que se conclui esta quinta-feira, e explicou que a sua renúncia se aplica ao “exercício ativo do ministério” do Papa, sem implicar um regresso à “privacidade”.
“Não regresso à vida privada, a uma vida de viagens, encontros, receções, conferências, etc. Não abandono a cruz, mas fico de uma forma nova junto do Senhor crucificado; deixo de levar a potestade do ofício para o governo da Igreja, mas no serviço da oração permaneço, por assim dizer, no recinto de São Pedro”, declarou, na sua catequese em italiano, perante mais de 150 mil pessoas, de acordo com estimativas do Vaticano.
Segundo Bento XVI, “amar a Igreja significa ter a coragem de fazer escolhas difíceis, sofridas, tendo sempre diante de si o bem da Igreja e não a si próprio”.
“Quem assume o ministério petrino já não tem qualquer privacidade. Pertence sempre e totalmente a todos, a toda a Igreja, na sua vida é totalmente cortada a dimensão privada”, precisou.
Bento XVI recordou o momento da sua eleição, a 19 de abril de 2005, e falou da “presença” de Deus que sentiu todos os dias neste ministério.
“Foi uma parte do caminho da Igreja que teve momentos de alegria e de luz, mas também momentos nada fáceis”, confessou.
“Houve momentos em que as águas estavam agitadas e o vento contrário, como em toda a história da Igreja, e o Senhor parecia dormir, mas sempre soube que nessa barca está o Senhor e sempre soube que a barca da Igreja não é minha, não é nossa, mas é sua e a não deixa afundar”, acrescentou.
O Papa declarou que não se sentiu “só” ao longo dos anos em que viveu a “alegria e o peso” do pontificado, deixando palavras de agradecimento aos cardeais, pela sua “amizade”, aos seus colaboradores, à Diocese de Roma e ao “mundo inteiro”.
“Gostaria de agradecer do fundo do coração às várias pessoas de todo o mundo que nas últimas semanas me enviaram sinais comoventes de atenção, de amizade e de oração. Sim, o Papa nunca está só, experimento-o agora de novo de um modo tão grande que toca o coração”, revelou.
Agradecendo a presença “tão numerosa” de fiéis nesta audiência semanal, iniciativa que ao longo dos anos do pontificado reuniu 5,1 milhões de pessoas, o Papa declarou recolher “tudo e todos na oração” para os confiar a Deus.
“Neste momento, há em mim uma grande confiança, porque sei, sabemos todos nós, que a Palavra de verdade do Evangelho é a força da Igreja, a sua vida”, prosseguiu, ao som das palmas dos presentes, agradecendo o dia de sol numa “manhã de inverno”.
O Papa falou das cartas das “pessoas simples” que lhe escrevem como “irmãos e irmãs ou filhos e filhas”, porque a Igreja não é “uma organização”, uma “associação para fins religiosos ou humanitários, mas um corpo vivo”.
“Deus guia a sua Igreja, levanta-a sempre, também e sobretudo nos momentos difíceis. Não percamos nunca esta visão da fé, que é a única verdadeira visão do caminho da Igreja e do mundo”, concluiu.
 
OC
 

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Bodas de Ouro Matrimoniais no Santuário - Coordenadora da Campanha da Mãe Peregrina

 
Foi com muita alegria que o Santuário de Schoenstatt de Aveiro acolheu o casal Lassalete e Serafim para a celebração das Bodas de Ouro Matrimoniais, no passado dia 10 de fevereiro. Como missionária e coordenadora paroquial da Campanha da Mãe Peregrina em Fermentelos, D. Lassalete escolheu este local, o Santuário da Mãe Três Vezes Admirável, para agradecer e renovar a fidelidade, a vida gerada nestes 50 anos. Com a presença de cerca meia centena de familiares e amigos, tiveram uma festa singela, muito familiar. O Santuário foi muito pequeno para acolher tantas pessoas mas, apesar de "apertadinhos", tiveram que ficar todos dentro, pois a chuva não parou um segundo que fosse. "Estava a chover no dia do casamento!" - dizia-me a D.Lassalete com o sorriso. Tudo se repete! A Santa Missa teve momentos bonitos, com os netos a lerem as leituras e o próprio casal a fazer a oração dos fiéis.
Nestas cerimónias há sempre muitas emoções. Lembro de ver o neto mais velho, que fazia de fotógrafo, como ficou tão admirado ou compenetrado no momento em que renovaram as promessas matrimoniais que se esqueceu de tirar fotografias precisamente quando colocaram as alianças, ou o netinho mais pequeno que guardou as aliança tão bem guardadas no bolso que não as encontravam. Mas as lágrimas de emoção maior foram causadas por uma das netinhas já no momento de Ação de Graças. Choravam pequenos e grandes enquanto a menina lia com toda a convicção e energia o que pensava sobre os avós e o exemplo que são para toda a família. À avó dizia que nunca lhe faltava o trabalho e, se faltasse, a avó arranjaria um.

 
No final todos os convidados entregaram ao casal uma rosa vermelha. 
MP

O Padre Kentenich na minha vida - 13


Não sabendo mais como fazer, uma mãe foi ter com o Padre Kentenich para contar o problema que estava a enfrentar: recentemente tinha novos vizinhos que estavam a exercer uma má influência para os seus filhos. Como mãe estava muito preocupada e com medo. O Padre Kentenich escutava atencioso. Quando ela terminou, convidou-a a ir ao Santuário e dizer a Deus e a Nossa Senhora todas as suas preocupações. Ela seguiu o conselho. Estava a rezar quando, de repente, a porta se abriu. Padre Kentenich entrou silenciosamente, ajoelhou-se e olhou para a imagem da Mãe de Deus. Mais tarde, a senhora conta: “Eu tive a impressão que ele rezava nas minhas intenções! Nesse instante aprendi dele a rezar. Esse momento, em que o observei, jamais esquecerei.” Passado algum tempo, o Padre Kentenich levantou-se e saiu. Agradecida, a senhora seguiu-o para se despedir. Ele assegurou que tudo correria bem, e que Nossa Senhora cuidaria. Consolada e mais sossegada, essa mãe regressou a casa e, passado algum tempo, a situação resolveu-se.

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Último Angelus de Bento XVI: "O Senhor me pede para subir o monte

 

Despertar da Fé na Diocese de Aveiro


Durante os meses de Janeiro e Fevereiro decorreu, no Santuário Diocesano de Schoenstatt, um Curso de Formação creditada para Profissionais de Educação, com a participação de 45 profissionais de 10 instituições particulares de solidariedade social (IPSS) da Diocese.
O objetivo desta formação foi o despertar da fé das crianças dos 0 aos 6 anos, em estreita colaboração com as famílias e outros educadores.
No passado dia 16, quarto e último encontro, teve lugar o encerramento desta iniciativa de formação, com a presença do nosso Bispo, D. António Francisco.



Foram responsáveis por este evento o Secretariado Nacional da Educação Cristã, a Escola Superior de Educação Maria Ulrich e o Secretariado Diocesano de Catequese de Infância e Adolescência, com a preciosa colaboração das Irmãs de Maria, do Movimento de Schoenstatt.
Com o entusiasmo experimentado e fortemente vivido abre-se uma grande esperança de se alargar à dimensão de todas as IPSS da Diocese esta exigência de forte necessidade de se anunciar Jesus aos mais pequeninos.

Fonte: http://www.diocese-aveiro.pt/v2/?p=4163


domingo, 24 de fevereiro de 2013

Secretariado Padre José Kentenich

 

 http://www.pater-kentenich.org/pt/ 


O Secretariado Padre José Kentenich está ao serviço do seu processo de canonização. Aí, dão-se informações e sugestões de orações em 29 idiomas. Assim, a vida e a mensagem do Padre Kentenich abarca muitas pessoas, difundindo-se por toda a Igreja.
O Secretariado situa-se na Casa Padre Kentenich, no Monte Schoenstatt, em Vallendar, na Alemanha. Há filiais em muitos países.


Nos Secretariados de 88 países recebem-se cartas de muitas pessoas que encontram no Pe. Kentenich, orientação espiritual e confiam na sua intercessão junto do Senhor.

Pode obter informações sobre o processo de canonização ou material de divulgação, através do site ou em Portugal:

Secretariado Pe. J. KentenichCentro Tabor
Rua do Santuário, s/n°83
Colónia Agrícola
3830-358 Ílhavo
PORTUGAL
Telef.234320290
 

MP

MISSÃO PAÍS em Tarouca

 
Os jovens universitários da Missão País, acompanhados do sr. P.e Miguel, que desde o dia 7 deste mês têm estado entre nós, vão partir.
Durante estes dias, tomaram as refeições na Santa Casa da Misericórdia de Tarouca e dormiram no Quartel dos Bombeiros de Tarouca.

 Na hora da partida, agradecemos-lhes:
- Os contactos, intercâmbios, trocas de experiências com o nosso grupo de Jovens - Arautos da Alegria - em cuja reunião participaram e com quem mantiveram uma bela colaboração.
- O apoio, carinho, dedicação que ofereceram aos idosos e doentes institucionalizados.
- Os contactos que estabeleceram na rua com as pessoas.
- A beleza da Vigília que organizaram na capela da Santa Casa e aberta à comunidade.
- A participação e animação das Eucaristias do fim-de-semana.
- O teatro que hoje, em duas sessões, ofereceram à comunidade no Auditório Municipal sobre a Fé.
- O contacto com as crianças e outras atividades que realizaram.


Foi marcante o seu testemunho, a alegria, simplicidade, a disponibilidade, a postura serena.
Estes jovens aproveitaram a pausa na Universidade para estarem ao serviço dos outros. Podiam ter ficado a descansar, ir para a "borga" (esta quadra carnavalesca convida...), fazer outra coisa como tantos outros. Mas vieram para a meio de nós, como quem serve na alegria.
Quem os move?
A FÉ em JESUS CRISTO.
Fantástico!
Por isso e por tudo, parabéns, jovens!

É justa e digna uma palavra de apreço, reconhecimento à Santa Casa e aos Bombeiros, à Câmara Municipal e a outras instituições e pessoas que colaboraram ou manifestaram vontade de o fazer.
Agradecimento sentido e fraterno ao P.e Miguel pela colaboração dada.
Um agradecimento especial ao Diác. Adriano que esteve mais ligado, por parte da Paróquia, a esta iniciativa dos jovens universitários e foi inexcedível na dedicação.

Fonte: http://asasdamontanha.blogspot.pt/

sábado, 23 de fevereiro de 2013

Quaresma 2013


"Todos os anos, a Quaresma oferece-nos uma providencial ocasião para aprofundar o sentido e o valor do nosso ser de cristãos e estimula-nos a redescobrir a misericórdia de Deus a fim de nos tornarmos, por nossa vez, mais misericordiosos para com os irmãos. No tempo quaresmal, a Igreja tem o cuidado de propor alguns compromissos específicos que ajudem, concretamente os fiéis neste processo de renovação interior: tais são a oração, o jejum e a esmola. 
Jesus declara, de maneira peremptória, quão forte é a atracção das riquezas materiais e como deve ser clara a nossa decisão de não as idolatrar, quando afirma: "Não podeis servir a Deus e ao dinheiro" (Lucas 16, 13). A esmola ajuda-nos a vencer esta incessante tentação, educando-nos para ir ao encontro das necessidades do próximo e partilhar com os outros aquilo que, por bondade divina, possuímos."
(Papa Bento XVI, excerto do livro Quaresma e Páscoa)

Fami e Paulo    

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Novo atelier na Casa Padre Kentenich

 

Ir. M. Emílie em milhões de lares brasileiros (e não só!)


Mais de mil pessoas participaram da Santa Missa pela beatificação de Ir. M Emilie Engel no Dia da Aliança de fevereiro, na Basílica de Nossa Senhora Medianeira, em Santa Maria. Mas milhões (estima-se 50 milhões) acompanharam a celebração presidida pelo arcebispo da arquidiocese de Santa Maria Dom Hélio Rubert, ao vivo, pela Rede Vida de Televisão.
 

A Missa faz parte de um projeto da arquidiocese de Santa Maria que, entre outros, inclui uma Santa Missa mensal ao vivo do Santuário de Nossa Senhora Medianeira, padroeira da arquidiocese e do estado do Rio Grande do Sul. Todos os meses, grupos e comunidades se revezam na configuração da liturgia.
 
 
Uma vivência como ‘Família de Schoenstatt’

A Família de Schoenstatt de Santa Maria mobilizou-se no mês de dezembro, quando o tema da Missa era a causa de canonização do Servo de Deus João Luiz Pozzobon. E, em fevereiro, novamente a vida de uma schoenstatteana foi o tema da Missa mensal transmitida pela Rede Vida: a venerável Serva de Deus Ir. M Emílie Engel.

MISSÃO PAÍS em Vila Viçosa

 
Vila Viçosa acolheu cerca de 50 jovens estudantes da Universidade Católica Portuguesa que sob o lema "A Tua Fé Te Salvou" desenvolvem a Missão País 2013. O grupo de jovens universitários da Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais, da Universidade Católica Portuguesa, foi oficialmente recebido pelo Presidente da Câmara Municipal de Vila Viçosa no Salão Nobre dos Paços do Concelho.
 

Foram dias para Evangelizar, ajudar as pessoas nas suas dificuldades, rezar, e convidá-las a participar nas atividades dos Missionários.Os elementos da Missão visitaram as várias instituições em Vila Viçosa ao mesmo tempo que realizaram ações de rua com cânticos e atividades diversas procurando envolver a população calipolense, mostrando-lhe a força e a disponibilidade da juventude universitária em refletir Jesus Cristo. 

MP

Saiba mais sobre a Missão País em http://missaopais.weebly.com/
 
 

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Lisboa: 400 mil cartazes dizem «obrigado» a Bento XVI


Lisboa, 21 fev 2013 (Ecclesia) – Um grupo de leigos católicos do Patriarcado de Lisboa financiou a distribuição gratuita de 400 mil cartazes de agradecimento ao Papa Bento XVI, que resigna ao pontificado a 28 de fevereiro.
Metade dos cartazes, na horizontal, apresenta Bento XVI em gesto de saudação, e os restantes, orientados verticalmente, mostram o Papa a rezar diante da imagem de Nossa Senhora de Fátima, no santuário da Cova da Iria, durante a sua visita a Portugal entre 11 e 14 de maio de 2010.
Os fiéis que contrataram a aquisição dos cartazes optaram por manter o anonimato, revelou hoje à Agência ECCLESIA o padre Nuno Fernandes, porta-voz do Patriarcado de Lisboa, instituição que apoia a divulgação da iniciativa.
Os cartazes, com a dimensão de duas folhas A4, têm fundo amarelo e são dominados pelo branco, cores da bandeira da Santa Sé, enquanto que as fotografias de Bento XVI foram impressas em tons de cinzento.
As palavras, também a cinza, destacam a frase “obrigado Bento XVI”, seguida da data em que o Papa renuncia, 28 de fevereiro de 2013, a indicação “Patriarcado de Lisboa” e, no fundo, uma sugestão: “coloque o cartaz na janela de sua casa, com vista para a rua num gesto de união e reconhecimento”.
Os exemplares estão a ser distribuídos nas paróquias de São João de Deus e Nossa Senhora do Amparo de Benfica, ambas na cidade de Lisboa, em Oeiras, Cascais e Caldas da Rainha, revela a página do Patriarcado no Facebook.
De acordo com o padre Nuno Fernandes os cartazes serão também distribuídos em Fátima, existindo pedidos de informação sobre a iniciativa provenientes das Dioceses de Setúbal e Viseu.
A escolha do sucessor de Bento XVI, eleito Papa a 19 de abril de 2005, ocorre, previsivelmente, no mês de março, em conclave (assembleia fechada) a realizar no Vaticano com a presença de cardeais que não completaram 80 anos.
RJM

Fonte: http://www.agencia.ecclesia.pt/cgi-bin/noticia.pl?id=94503

"EU ACREDITO" - Jovens com o Papa Bento XVI

 
Todos nos lembramos da grande manifestação juvenil do "Eu Acredito" durante a visita do Papa Bento XVI a Portugal.
Os jovens juntam-se novamente para rezar pela Igreja e pelo Papa no momento em que termina o seu pontificado, vestindo novamente a t-shirt azul do "Eu Acredito". Participação aberta a todos.

28 Fevereiro - Rossio, Lisboa
19:00 - Encontro Praça S.Domingos
19:30 - Missa na Igreja S.Domingos
20:30 - Momento final de oração
MP
 

Grupo dos Namorados dinamiza a Missa das família


No passado Domingo, dia 10 de Fevereiro, a Eucaristia da Liga das Famílias foi especialmente dinamizada pelo Grupo de Namorados de Schoenstatt. Como reflexão inicial partilhamos que: “Como Grupo de Namorados queremos mostrar e aprender a viver corretamente o nosso namoro sempre em mútua relação com Deus, assim como também dar um exemplo concreto a outros casais de namorados, de como o verdadeiro amor consiste em estar espiritualmente um no outro.Desta forma, queremos ser testemunho para todos os casais de namorados que se sintam chamados a estes ideais. Amor desperta amor!”
À saída da Eucaristia quisemos presentear cada casal com uma receita de bolo de chocolate para poderem experimentar e provar no dia de S. Valentim junto daquele que amam.
Da mesma forma, não quisemos deixar de partilhar as palavras sobre o amor do nosso Pai e Fundador:
O amor é uma força que une e assemelha. Eu em ti e tu em mim e nós dois um no outro, isso é amor: eu habito no teu coração e tu em mim, tu vives no meu coração. Vivemos um no outro!
Em primeiro precisamos aprender a fazer feliz o outro, a passar do eu para o tu. Ter o cuidado que o amor possa continuar a crescer como foi no tempo de namoro e noivado… todo o resto passa, a ciência passa, a fé passa, a esperança passa, mas o amor permanece por toda a eternidade...se aprendermos a amar corretamente teremos a antecipação  da eterna bem-aventurança.” (As segundas-feiras a noite – volume 20 – 13 de Fevereiro 1961)

 
Como acontece mensalmente no segundo domingo do mês, os casais que contraíram matrimónio nesse mês, foram convidados a renovarem as suas promessas matrimoniais.

Joana Santos, Grupo dos Namorados

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Missa da Aliança no Santuário da Diocese de Aveiro - 18 de Fevereiro de 2013


"Meu Senhor e meu Deus!
Aqui nos encontramos para Te dar graças por tudo o que de bom Tu nos dás. Tu sustentas o mundo e a vida desta Família de Schoenstatt, com o Teu Amor de Pai Misericordioso.
Para Ti erguemos as mãos suplicando auxilio e proteção, pois reconhecemos o quanto somos frágeis e pequenos perante as dificuldades que encontramos no nosso dia a dia.
À sombra do Santuário aprendemos que nos falas através de “causas segundas”, ou seja, através dos acontecimentos da nossa vida. Nos últimos tempos, muito nos questionamos, sobre a tempestade que aqui se abateu, provocando a queda de tantas árvores que vimos crescer e que nos viram crescer; em cuja sombra nos abrigamos em tantos encontros da Família. Mas o que mais nos fez refletir foi a queda do nosso primeiro marco, na preparação da construção espiritual do nosso Santuário, o “Nicho”, provocado pelo levantamento das raízes de um pinheiro muito especial, que o abrigava.
O Nicho foi testemunha, de muitos encontros da Família que aqui começava a surgir; também das caminhadas peregrinas de um grupo da Juventude feminina que se preparava para a sua Aliança de Amor; foi ali que em 16 de Outubro de 1977 celebramos a nossa entrega à Mãe Três Vezes Admirável.
E a pergunta que colocamos hoje é: porquê? E sem duvida que nos sentimos motivados a fazer uma reflexão´procurando responder com uma corrente de vida ao que Tu, Senhor, esperas de nós.
Outro facto que nos surpreendeu, foi a decisão corajosa do Papa Bento XVI, através da sua resignação ao cargo que ocupa, que a todos nos deixou perplexos. Aqui nos sentimos chamados a uma maior união e à oração pela Igreja e seus representantes.
Também o retrocesso nas conversações sobre os destinos do Santuário Original, nos impele a muitas contribuições para o capital de graças.

Bênção das dezenas que foram entregues a quem veio pela primeira vez ao Santuário

Queremos colocar sobre o altar também, as graças recebidas na bênção de tantos Santuários-Lar, Coroação da Rainha da Bonança e a Aliança filial selada com o Pai e Fundador pelo 1º grupo de mães da nossa diocese, na celebração do 2º marco de Schoenstatt, o 20 de Janeiro."
(Introdução da Missa - Liga das Mães - Maria Marçal)

Grupo de Cruzados da JMS que receberam uma etapa

Neste dia 18 de Fevereiro, realizou-se no Santuário de Schoenstatt da Diocese de Aveiro, a Missa da Aliança. Após a Missa, peregrinámos ao Santuário, onde um grupo dos Cruzados da Juventude Masculina recebeu mais uma etapa. 
Em seguida, foram benzidas as dezenas que são entregues a quem vem pela primeira vez ao Santuário durante o mês (de um dia 18 até ao outro dia 18) e que são feitas com contas (bolinhas) que simbolizam Capital de Graças. Cada pessoa que vem ao Santuário, reza a oração do Rumo a 2014 e depois por cada Avé Maria rezada, coloca uma bolinha num recipiente de vidro. Cada Ramo do Movimento e os peregrinos, têm contas de uma cor diferente. Com essas bolinhas, são depois feitas as dezenas.

As dezenas a serem entregues...

Depois de renovarmos a Aliança de Amor com Maria, nossa Mãe, queimámos o Capital de Graças, junto à Taça de Engling.
Caminhámos depois até à Casa Padre Kentenich, onde rezámos em conjunto a oração de beatificação do nosso Pai e Fundador.


Para terminar os nossos cruzados, voltaram ao Santuário para a foto de família.


Foi assim a celebração do dia 18 de Fevereiro no Santuário de Aveiro.
No próximo dia 18 de Março, podemos contar com a sua presença?

Fami e Paulo

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Diocese conclui formação sobre «A Educação Religiosa da Criança»

 
 
Aveiro, 18 fev 2013 (Ecclesia) – A Diocese de Aveiro promoveu este sábado na Gafanha da Nazaré a quarta e última jornada do curso “A Educação Religiosa da Criança”.
O encontro contou com a presença de 45 profissionais de 10 instituição particulares de solidariedade social ligadas à diocese, revela uma nota enviada à Agência ECCLESIA.
O principal objetivo da formação ministrada desde janeiro por docentes da Escola Superior de Educação Maria Ulrich foi dinamizar a formação espiritual e religiosa das crianças até aos seis anos, através dos pais e educadores.
O projeto organizado pelo Secretariado Nacional de Educação Cristã em parceria com o Secretariado da Catequese da Infância e Adolescência de Aveiro e com a colaboração do Secretariado da Educação Cristã do Porto terminou com a missa presidida pelo bispo de Aveiro, D. António Francisco dos Santos.
Os participantes planearam a continuidade dos encontros formativos.
MA/RJM

Fonte: http://www.agencia.ecclesia.pt/cgi-bin/noticia.pl?id=94458

Nota: em breve, mais informações sobre este encontro.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Cultura de Aliança - Projectos Apostólicos Rumo a 2014 - Jardins de Infância


Em vários países, vem surgindo a iniciativa de fundar Jardins de Infância onde é aplicada a pedagogia de Schoenstatt. Essa pedagogia é inspirada na missão e visão filosófica, pedagógica e sacerdotal do Padre José Kentenich, e seu objetivo comum é “Educar para a vida”.
Muitos desses Jardins funcionam como Pré-escola dos Colégios de Schoenstatt; outros são independentes e funcionam também como berçários. As diversas atividades dessas instituições têm por objetivo transmitir valores para as crianças e ajudá-las a viver o amor que lhes é dedicado.

Formar seres únicos e vinculados
Os Jardins de Infância de Schoenstatt consideram a educação sob os seguintes aspectos: religioso, social, afetivo, cognitivo, psicomotor e cultural; buscam formar nas crianças a consciência de que cada uma delas é um ser único, individual e autônomo, incutindo o amor ao próximo como ideia fundamental do que realmente significa ser filho de Deus, favorecendo a formação de vínculos, o trabalho em equipe, buscando ser parte da projeção do lar e transmitindo às crianças nossos valores e uma espiritualidade sólida.
O principal é conseguir que a criança, no início da socialização com outras crianças, viva em um ambiente alegre e de muito carinho, a partir do amor, com o cuidado individual que cada um recebe.
A família das crianças cumpre um papel fundamental para que sejam alcançados os objetivos de ensino na etapa de educação inicial; por isso, explica-se aos pais a filosofia dessas instituições, de maneira que a missão da educação desses pequenos seres humanos seja uma tarefa conjunta: escola e família.
“É a soma dos pequenos gestos de amor que faz com que a criança seja feliz, ajudando-a a desenvolver seus talentos, para que hoje e amanhã saiba que é aceitada e amada, que pode ajudar a melhorar o ambiente em que vive”.
Fonte: Schoenstatt.org/pt
 Fami e Paulo

CMP - "Dia da Aliança" 02/2013

 
Sinal de MISSÃO nos nossos dias
 
Um profeta adverte uma cidade para a conversão, que pela sua vida permissiva e falta de fé estava a perder-se. Apesar de ninguém o escutar, ele continuava a pregar. Uma criança então perguntou-lhe: “Porque é que tu andas por aqui a falar, se não consegues mudar ninguém?” O profeta respondeu: “Eu sei que aqui não mudo ninguém. Mas eu continuo a pregar, para que eu não mude!”
Quando um cristão não anuncia, através da sua vida e do seu testemunho, o que significa para ele a fé, esta evapora-se sempre mais. Ser apóstolo não é nada fácil. Com certeza, todos nós já vivemos a experiência de que não é fácil ser testemunha da fé na escola, no trabalho, na família e muitas vezes até mesmo em nós próprios. Fé é um tema que não dá muito por onde começar... Como podemos dar testemunho dela? Porque é que temos medo, apesar de sabermos e notarmos que nos faz bem falar da fé e que nos dá força para a vida. O exemplo que nos é dado mostra-nos que ser cristão é ser missionário, é levar Cristo aos outros, é dar testemunho da fé – apesar de tudo – é ser autêntico e coerente com a própria vida de batizado.
O Santo Padre fala do “cristianismo cansado” da Europa. Talvez a nossa própria fé esteja cansada, talvez até já perdemos o sabor de acreditar.
 
O que Maria, nos Santuários de Schoenstatt, oferece é este saborear a fé, descobrir uma nova alegria em Deus que se torna estímulo para a transmitir aos outros.
Em Schoenstatt há jovens e famílias que são sinais vivos disso. O encontro com Maria muda a maneira de ser cristão. Eles abraçam um projeto do coração, da fé. Vão em missão durante uma semana, levando a Mãe Peregrina de Schoenstatt às famílias. Eles vivem o destino do apóstolo, do missionário, com portas que se fecham, desilusões com a Igreja, indiferenças, mas também a alegria da partilha da fé, o despertar de um interesse sério por Cristo, a confiança na semente lançada e o sorriso na promessa que fazem  a todos, sem exceção:

Nós rezamos por si!


Ir.M.Paula Silva Leite, CMP
(Publicado no folheto mensal "Dia da Aliança, Fevereiro 2013)

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Primeiro Domingo da Quaresma 2013


«Esteve no deserto, conduzido pelo Espírito, e foi tentado»

"A tentação no Deserto não foi um acontecimento isolado. Foi o começo duma luta contra o «príncipe deste mundo», que se prolongará por toda a vida, atingindo o auge com a Morte em Jerusalém.
Como a de Jesus, a vida do cristão conhece também a prova da tentação. O Baptismo, que nos faz filhos de Deus, não nos introduz num estado de segurança. É antes o começo de dura caminhada, no decorrer da qual a nossa fidelidade a Deus é, muitas vezes, posta à prova.
Em todas as circunstâncias, porém, o cristão poderá ser invencível. Cristo Ressuscitado, que venceu, definitivamente, o mal, ficou na Eucaristia, para nos comunicar esse poder."
(Secretariado Nacional de Liturgia)


"Importa fazer das bem–aventuranças um caminho de discípulos, um programa de vida, um conteúdo de sabedoria inesgotável e um ideal que fascine e que contagie o mundo de hoje, dando à sociedade este suplemento de alma e este alento de esperança que tanta vezes lhes falta. A sociedade contemporânea precisa de servidores dos pobres, de obreiros da paz, de construtores da justiça, de corações compassivos e de olhos purificados para ver Deus."
(D. António Francisco, Bispo de Aveiro na mensagem à Igreja de Aveiro para a Missão Jubilar) 

Fami e Paulo

sábado, 16 de fevereiro de 2013

O bom missionário é aquele que reza pelas "suas famílias"!


Ao terminar o mês de Janeiro, realizou-se o Encontro de Missionários da Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt das dioceses de Aveiro e Coimbra. Este ano, motivados pelo Ano da Missão, refletimos sobre o "ser missionário". Voltamos à escola do missionário para trabalharmos em nós mesmos, orientando-nos no Bom Pastor. Incentivados pela promulgação das virtudes heróicas da Irmã Emilie Engel, vimos um filme sobre a sua vida e tivemos trabalhos de grupo. Estes foram divididos conforme os três símbolos usados pela Ir. Emilie: o comboio da filialidade, a mala e a espiga de trigo. Fizemos uma pequena dinâmica que se prolongou pelo dia todo. Com as virtudes da Ir.Emilie, fomos à procura daquelas que nos ajudam a conquistar as qualidade do pastor.


Por isso, depois do almoço, cada missionária foi convidada a procurar um pequeno cajado na mata, o qual não teriam dificuldades pois as árvores ainda estavam caídas desde a tempestade. Foi interessante observar a escolha de cada uma. Ao recomeçar os trabalhos no início da tarde, tivemos então uma dinâmica sobre o pastor que culminou com a aspiração para a Quaresma. Refletimos sobre cada símbolo que íamos construindo.


Cada missionária levou para sua casa uma ovelhinha com os nomes das famílias que lhes foram confiadas no círculo de famílias que recebem a Mãe Peregrina e durante a Quaresma, todos os dias, vão consagrar a Nossa Senhora essas famílias, preenchendo assim a sua ovelhinha que depois entregarão no Capital de Graças. "O Bom Pastor é aquele que dá a vida pelas suas ovelhas." Para nós quer dizer: O bom missionário é aquele que reza pelas suas famílias!

MP

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Graça alcançada por intermédio do Padre Kentenich


Ao recordarmos o 38º ano da abertura do Processo de Beatificação do P.José Kentenich, queremos renovar o nosso empenho em torná-lo mais conhecido e mostrar que de facto ele ajuda em toda e qualquer situação, em especial quando se trata de conquistarmos a liberdade interior.

“Gostaria de partilhar convosco uma graça alcançada já a algum tempo e, que cada vez se mantém mais forte e consolidada. Passo então a descrever a minha situação pessoal e profissional:
Eu representei durante cerca de 5 anos uma Empresa estrangeira a atuar em Portugal. No entanto, os seus métodos de trabalho foram sendo cada vez mais ríspidos, pressionantes e até intolerantes para com os seus Colaboradores e até alguns Clientes. O meu deslumbramento inicial com este projeto, apesar dos seus bons produtos foi-se desvanecendo até ao ponto de entrar num ciclo profissional altamente desgastante a nível interno.
No entanto, sempre consegui lutar e vencer todos os obstáculos internos da empresa e isso fazia-me sentir algo melhor, mas a longo prazo, as injustiças sempre me faziam sentir mal, desmotivado e triste. Já frequentava o Centro em Ílhavo e sempre me identifiquei com a Virtude máxima do Padre José Kentenich da # Liberdade Interiore era isso que lhe pedia para a minha vida profissional.
A curto prazo parece que estava tudo na mesma, mas não foram precisos muitos meses até que consegui despertar mesmo a atenção de uma Nova Entidade Profissional também do mesmo País e a atuar de uma forma Concorrente na mesma área profissional. Esta fase coincidiu com o desmoronar do outro projeto em Portugal e, no momento certo aceitei este Novo Compromisso Profissional, que se revelou mais sólido, mais inovador, com metodologias de trabalho mais humanas e em que os Clientes se sentem mais satisfeitos. Por mim, nos primeiros meses nem queria acreditar nesta forma de trabalhar mais livre interiormente, mas responsável ao mesmo tempo, em que saímos todos a ganhar. Os bons resultados vão-se mantendo de uma forma consistente, apesar da crise. E eu só posso agradecer a intervenção do Padre José Kentenich neste meu Novo Ciclo Profissional, pois, foi a ele que recorri.
Partilho esta Confiança em Schoenstatt para todos aqueles que procuram uma vida Profissional e Pessoal melhor. Ámen.            

A. D. Coimbra.

Partilhe connosco, as graças alcançadas pela intercessão do P. Kentenich. Envie ao Secretariado o seu testemunho: secretariadopadrejosekentenich@gmail.com.

Mensagem do Bispo de Aveiro para a Quaresma 2013


1.Os dias jubilares são dias de fé. “Vive esta hora!”
Ao iniciarmos esta Quaresma em pleno Ano da Fé e em tempo de Missão Jubilar, por ocasião da celebração dos setenta e cinco anos da restauração da nossa Diocese, quero convidar todos os diocesanos de Aveiro a sentirmo-nos amados por Deus, conscientes de que o nosso nome está inscrito no coração do Senhor, nosso Deus e nosso Pai.
Os dias jubilares que vivemos são dias de fé acolhida, professada, celebrada, vivida e testemunhada com novo encanto, renovado vigor e crescente entusiasmo.
Vemos à nossa volta um mar de luz e de paz, onde se reflecte o amor de Deus pela Humanidade. Percorremos, mês a mês, caminhos de visita, de anúncio, de partilha com pessoas, famílias e instituições, levando nos lábios, no coração e na vida palavras e notícias de Deus. Anunciamos em novos átrios de encontro, em campos abertos de debate e em alargados horizontes de missão o evangelho das bem-aventuranças. Sabemos pela fé que a hora que vivemos será hora da Humanidade se primeiro e sempre for hora de Deus!
“Vive esta Hora!” é lema, apelo e caminho de fé aprofundada por catequeses quaresmais, presentes no mesmo dia e repartidas em tempo simultâneo por todas as paróquias da Diocese, ao longo das semanas da Quaresma.
Vivemos, assim, uma verdadeira e original experiência de formação cristã, plenamente inserida na acção pastoral que desenvolvemos e levada por membros de cada uma das nossas comunidades enviados, como catequistas e missionários, a outras tantas comunidades que são as cento e uma paróquias da nossa Diocese.
Servem de fundamento a estas catequeses quaresmais a Palavra de Deus, o magistério da Igreja, os desafios renovadores do Concílio Vaticano II, as orientações e documentos do nosso II Sínodo Diocesano e a leitura crente do caminho que, ao longo destes setenta e cinco anos, fazemos como Igreja.
Queremos viver esta Quaresma como tempo favorável de graça da parte de Deus e oportunidade abençoada de formação cristã e de bem-aventurança evangélica para todos.

2. Os dias jubilares são oásis de oração
Imediatamente antes da sua vida pública, Jesus é conduzido pelo Espírito ao deserto para, em demorado tempo de oração, de contemplação e de encontro com o Pai, nos deixar esta tão necessária pedagogia espiritual de apelo à conversão e ao encontro com Deus.
Faz-nos bem interiorizar esta experiência de Jesus e trazê-la para o coração tantas vezes agitado e perturbado das nossas vidas e das nossas praças.
O «Dia do deserto» que proponho a toda a Diocese para vivermos em iniciativas arciprestais vai permitir-nos que, no silêncio e na interioridade, a verdade da nossa vida possa acontecer e tenhamos oportunidade para fazermos experiência da bondade de Deus que Jesus nos revelou.
Implantemos neste «Dia do deserto», no coração das nossas vilas e cidades,verdadeiros oásis de silêncio, de oração, de recolhimento, de reconciliação e de fraternidade.
A oração, a conversão interior e o retiro espiritual encontram, assim, mais tempo e diferente espaço para se tornarem acolhimento de Deus e experiência de fraternidade cristã e de verdadeira vivência comunitária.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...