sexta-feira, 29 de abril de 2011

YOUCAT - à tua medida, na tua linguagem

"Quando Israel se encontrava no ponto mais obscuro da sua história, Deus chamou em seu socorro não os grandes e as pessoas estimadas, mas um jovem..." (Bento XVI)
 "Não digas: sou ainda muito novo!" (Jr 1, 7)

Depois da caminhada da Quaresma na diocese de Aveiro: "Firma os teus passos!", surge a motivação, para o tempo Pascal: "Afirma a tua fé!"

A fé é o grande tema actual. YOUCAT é um catecismo para os jovens. Como o Papa Bento XVI afirma no prólogo: "é um livro extraordinário".  Vale a pena ler o prólogo deste livro para ficar a conhecer melhor. Deixamos aqui algumas partes desse texto:

"O Cristianismo como tal não está superado? Pode-se ainda hoje racionalmente ser crente? Estas são as questões que muitos cristãos se formulam até nos nossos dias. O Papa João Paulo II optou então por uma decisão audaz: deliberou que os bispos do mundo inteiro escrevessem um livro com o qual responder a estas perguntas.

Ele confiou-me a tarefa de coordenar o trabalho dos bispos e de vigiar a fim de que das suas contribuições nascesse um livro - quero dizer, um livro verdadeiro e não uma simples justaposição de uma multiplicidade de textos. Este livro devia ter o título tradicional de Catecismo da Igreja Católica e todavia ser algo absolutamente estimulante e novo; devia mostrar no que a Igreja Católica crê hoje e de que maneira se pode acreditar de modo racional. Assustei-me com esta tarefa e devo confessar que duvidei que algo semelhante pudesse ter bom êxito."

"Algumas pessoas dizem-me que o catecismo não interessa à juventude moderna; mas não acredito nesta afirmação e estou certo de que tenho razão. A juventude não é tão superficial como é acusada de o ser; os jovens querem saber deveras no que consiste a vida. Um romance policial é empolgante porque nos envolve no destino de outras pessoas, mas que poderia ser também o nosso; este livro é cativante porque nos fala do nosso próprio destino e portanto refere-se de perto a cada um de nós."

"Estudai o catecismo com paixão e perseverança! Sacrificai o vosso tempo por ele! Estudai-o no silêncio do vosso quarto, lede-o em dois, se sois amigos, formai grupos e redes de estudo, trocai ideias na internet. Permanecei de qualquer modo em diálogo sobre a vossa fé!"

"Se vos dedicardes com paixão ao estudo do catecismo, gostaria de vos dar ainda um último conselho: sabei todos de que modo a comunidade dos fiéis recentemente foi ferida por ataques do mal, pela penetração do pecado no seu interior, aliás, no coração da Igreja. Não tomeis isto como pretexto para fugir da presença de Deus; vós próprios sois o corpo de Cristo, a Igreja! Levai o fogo intacto do vosso amor a esta Igreja todas as vezes que os homens obscurecerem o seu rosto. "Sede diligentes, sem fraqueza, fervorosos de espírito, dedicados ao serviço do Senhor" (Rm 12, 11).

Quando Israel se encontrava no ponto mais obscuro da sua história, Deus chamou em seu socorro não os grandes e as pessoas estimadas, mas um jovem de nome Jeremias; ele sentiu-se chamado a uma missão demasiado grande: "Ah! Senhor Javé, não sou um orador, porque sou ainda muito novo!" (Jr 1, 6). Mas Deus replicou: "Não digas: sou ainda muito novo - porquanto irás aonde Eu te enviar, e dirás o que Eu te mandar" (Jr 1, 7)."

MP

Convite para o Dia da Mãe

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Final do Torneio de Futebol da JMS



No passado dia 17 de Abril 2011 realizou-se a grande final do campeonato de futebol da Juventude Masculina de Schoenstatt de Aveiro 2011. Durante este campeonato foram disputados um total de 12 jogos entre as 4 equipas (Comunitária, Ambiental, Pessoal e Espiritual).


Este dia foi especial porque em ambos os jogos, a tabela classificativa iria variar conforme os resultados, ou seja, estava tudo em aberto ainda.
Em primeiro lugar jogaram as equipas para 3º e 4º lugar, ou seja, as equipas Pessoal e Espiritual, ganhando a equipa Espiritual por 4-3. Por fim, jogaram as equipas Comunitária e Ambiental para o 1º e 2º lugar, no qual a equipa Comunitária foi mais forte vencendo a equipa Ambiental por 3-1.


Assim, terminou a equipa Comunitária em 1º lugar com 9 vitórias, 1 derrota e 2 empates num total de 34 golos sofridos e 64 golos marcados, seguido da Ambiental, Espiritual e Pessoal. A equipa Comunitária ainda conseguiu através do jogador Malok ganhar o prémio para o jogador com mais golos no torneio com um total de 26 golos.

No final a organização (Comando #7), ofereceu como forma de participação a todos os elementos das equipas, as respectivas medalhas do 1º ao 4º lugar no torneio.

Emanuel Lages Almeida

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Caminhada de Reflexão da JFS


“Cada nova decisão significa um crescimento da liberdade interior!” P.K.

A Juventude Feminina de Schoenstatt teve uma caminhada de reflexão no dia 18. O tema: "O Caminho faz-se caminhando!" foi meditado e praticado. Uma caminhada em silêncio, com 4 paragens para ouvir a voz interior. Um ponto de encontro "informal" com Deus. Em cada paragem lia-se um impulso, com um exemplo do dia-a-dia sobre "quem ou o quê determina realmente a minha vida e de quem ou de quê me quero deixar determinar?", "ouvir o que é mais importante para mim", "reconhecer a voz de quem é mais importante para mim" e "voz de Deus é voz de um amor maior." Cada uma podia escrever, no seu guião, a sua meditação conforme as perguntas de ajuda à reflexão.    
Parar, reflectir, traçar objectivos de vida, decidir-se por eles e lutar pela sua concretização - recomeçar sempre de novo!

“Temos que nos educar para nos tornarmos personalidades firmes. Há muito já que saímos da infância. Naquele tempo, deixávamos o nosso bom ou mau humor e o nosso estado de espírito determinarem o nosso actuar. Mas agora temos que aprender a agir segundo reconhecidos e claros princípios. Tudo em nós pode vacilar. Tempos virão, com certeza, em que tudo em nós vai vacilar. Então, já não serão os exercícios espirituais a poder ajudar-nos. Uma só coisa nos pode ajudar: os nossos princípios. Temos que ser personalidades firmes.
Então avancemos! Sim, avancemos na pesquisa e na conquista do nosso mundo interior através de uma auto-educação consciente dos seus objectivos. Quanto maior o progresso exterior, maior o aprofundamento interior. (…)
O grau do nosso progresso no domínio das ciências tem que ser o grau do nosso aprofundamento interior, do crescimento da nossa alma. Caso contrário, cria-se também no nosso interior um vazio enorme, um abismo tremendo que nos faz sentir profundamente infelizes. (…)
É o que exige o nosso ideal e o ímpeto do nosso coração, é o que exige a nossa sociedade, é o que exigem sobretudo as pessoas, nomeadamente aquelas com as quais nos vamos encontrar mais tarde na nossa futura actividade.“(P.Kentenich. 27.10.1912)
MP

terça-feira, 26 de abril de 2011

Santo Sudário - Respostas para perguntas frequentes


No dia 7 de Junho de 2010, no site ZENIT.org, foram publicadas respostas a várias perguntas sobre o Santo Sudário. É muito interessante conhecer todos os pormenores deste mistério. Nesta Semana de Páscoa, deixamos aqui essas perguntas. Se ainda não sabe as respostas, clicar aqui: http://www.zenit.org/article-25146?l=portuguese

–Os evangelhos mencionam o Santo Sudário?
–Quais as características que tem esse lençol?
–Porquê apresenta sinais geométricos?
–Esse Sudário apresenta a imagem impressa de um homem.
  Quais são as suas características?
–Apresenta sinais de uma coroa de espinhos?
–Apresenta sinais de flagelação?
–Porquê se considera que o homem do Santo Sudário esteve crucificado?
–Porquê são tão famosos os negativos dessa imagem?
–É certo que o Santo Sudário tem características tridimensionais?
–Como chegou o Sudário a Turim?
–De quem é o Santo Sudário?
–De quanto em quanto tempo são realizadas exposições do Santo Sudário?
-Um estudo em 1988 disse que se tratava de um falso medieval...
–Outros dizem que se trata de uma obra de arte...
–O que demonstra que este sudário estava em Jerusalém?
–Se sempre foi tão importante o Santo Sudário, existem documentos históricos que se referem a ele?

MP


domingo, 24 de abril de 2011

Mensagem de Páscoa do Bispo da Diocese de Aveiro

video

Missa de Páscoa


Mais uma vez, o coro das crianças do Santuário surpreendeu o grande número de fiéis que hoje estiveram na Eucaristia de Páscoa, no Centro Tabor. As nossas meninas entraram com flores, cantaram cânticos novos e bem festivos, acompanhados pelo órgão e dois violinos. No final da Santa Missa saíram em procissão, junto com o povo, até ao Santuário. Lá, depois da consagração à nossa Mãe e Rainha e de uma breve oração, as crianças cantaram "Mãezinha do Céu" acenado com as suas flores.
MP

O Aleluia da Ana


A mãe da Ana canta no coro da Igreja. Às vezes, ela ensaia os cânticos lá em casa. Ana ouve com muita atenção e encanto. Ela não consegue entender as palavras, mas é tão bonito quando a mãe canta! Há uma palavra que a mãe repete sempre de novo, aparece em muitos cânticos: chama-se “Aleluia”.
“O que quer dizer “Aleluia”?”, pergunta Ana. “Quer dizer: Querido Deus, eu amo-te, eu louvo-te, eu honro-te”, diz a mãe. “Por isso canta-se muitas vezes.” “E as pessoas que escutam também sabem o que ela quer dizer?” pergunta a Ana. “Certamente!”, diz a mãe. “Isso não só sabem as pessoas da nossa terra, mas também as pessoas que vivem na França, na Inglaterra, na Itália, na Rússia, nos Estados Unidos e em muitos outros países. Quando elas querem louvar e honrar o bom Deus, cantam e dizem 'Aleluia'." “Aleluia”, diz a Ana. “Aleluia”, canta ela. “Uma palavra bonita!”, pensa ela.
Uns dias mais tarde, a Ana recebe visita da América. O pai e a mãe viajam até ao aeroporto para buscar a tia Milly e o tio Jeff. O avião está atrasado e eles precisam de esperam. A Ana tem muito tempo para explorar o aeroporto. Que confusão! Quantas pessoas andam de um lado para lado, sobem e descem escadas, esperam junto ao check-in, estão por todo o lado, sentados ou de pé. Ana observa todas estas pessoas. Algumas parecem muito estranhas. Têm rosto moreno, olhos pequeninos, cabelo encarapinhado. Muitas têm uma roupa esquisita e gorros ou chapéus estranhos. Ana tenta perceber o que eles dizem, mas muitos deles falam de tal modo que Ana nada entende. Eles falam uma língua desconhecida. Mas “Aleluia” com certeza entendem, pensou a Ana. Ela fixa uma jovem que tem um longo cabelo preto e uma pele castanha. “Aleluia”, diz Ana cheia de expectativas pela reacção dessa jovem senhora. A jovem sorri para ela e responde: “Aleluia!” Ana alegra-se e continua o seu caminho. Dois homens estão sentados num banco e falam um com o outro numa língua estrangeira. Os homens têm cabelo denso, bigode e barba e têm um vestido branco. “Aleluia!”, diz Ana bem alto. Os homens param de falar. Eles sorriem. Fazem uma vénia com a cabeça e dizem: “Aleluia!” - Ana irradia. Ela pensa: quando eu digo “Aleluia”, todos me entendem. É como uma palavra mágica.
“Aleluia, Aleluia!” diz ela para todos os lados. Ela corre de um lado para o outro e rejubila: “Aleluia, Aleluia!” “Pst, Ana”, reclama a mãe. Mas as pessoas alegram-se. Muitos olham para trás, para Ana, riem, fazem uma vénia, acenam, e muitos respondem alto: “Aleluia!” Um homem gordo começa mesmo a cantar. Ele canta, assim como a mãe no coro da Igreja. Ele canta três vezes Aleluia, então começa a rir e oferece um pedaço de chocolate à Ana. Ana fica surpreendida. Como as pessoas se tornam amigáveis com essa palavra!
Mais tarde, quando a tia Milly e o tio Jeff chegam e todos juntos já se dirigem para a saída, uma mulher acenou e disse: “Aleluia!” “Certamente é para ti, Ana”, diz o pai. “Aleluia!” responde Ana e acena também para ela. A tia Milly e o tio Jeff admiram-se. “Isso é uma saudação?” perguntam.
“É a saudação da Ana”, explica a mãe. “Realmente é uma saudação muito mais bonita do que ‘bom dia’ ou ‘adeus’. Ana, vê se tu consegues que essa saudação se torne um hábito na vida das pessoas.” “Sim”, diz Ana com seriedade “Eu quero tentar isso”.
Gudren Pausewang

Vigília Pascal - Símbolos e siginificado


Celebração central do calendário litúrgico é a mais importante na Igreja Católica.

Na noite, em que Jesus Cristo passou da morte à vida, a Igreja convida os seus filhos a reunirem-se em vigília e oração. Na verdade, a Vigília pascal foi sempre considerada a mãe de todas a vigílias e o coração do Ano litúrgico. A sensibilidade popular poderia pensar que a grande noite fosse a noite de Natal, mas a teologia e a liturgia da Igreja adverte que é a noite da Páscoa, «na qual a Igreja espera em vigília a Ressurreição de Cristo e a celebra nos sacramentos» (Normas gerais sobre o Ano litúrgico, 20). No texto do Precónio pascal, chamado o hino “Exsultet” e que se canta nesta celebração, diz-se que esta noite é «bendita», porque é a «única a ter conhecimento do tempo e da hora em que Cristo ressuscitou do sepulcro! Esta é a noite, da qual está escrito: a noite brilha como o dia e a escuridão é clara como a luz». Por isso, desde o início a Igreja celebrou a Páscoa anual, solenidade das solenidades, com uma vigília nocturna.
A celebração da Vigília pascal articula-se em quatro partes: 1) a liturgia da luz ou “lucernário”; 2) a liturgia da Palavra; 3) a liturgia baptismal; 4) a liturgia eucarística.

1) A liturgia da luz consiste na bênção do fogo, na preparação do círio e na proclamação do precónio pascal. O lume novo e o círio pascal simbolizam a luz da Páscoa, que é Cristo, luz do mundo. O texto do precónio evidencia-o quando afirma que «a luz de Cristo (...) dissipa as trevas de todo o mundo» e convida a «celebrar o esplendor admirável desta luz (...) na noite ditosa, em que o céu se une à terra, em que o homem se encontra com Deus!».
2) A liturgia da Palavra propõe sete leituras do Antigo Testamento, que recordam as maravilhas de Deus na história da salvação e duas do Novo Testamento, ou seja, o anúncio da Ressurreição segundo os três Evangelhos sinópticos, e a leitura apostólica sobre o Baptismo cristão como sacramento da Páscoa de Cristo. Assim, a Igreja, «começando por Moisés e seguindo pelos Profetas» (Lc 24,27), interpreta o mistério pascal de Cristo. Toda a escuta da Palavra é feita à luz do acontecimento-Cristo, simbolizado no círio colocado no candelabro junto ao Ambão ou perto do Altar.
3) A liturgia baptismal é parte integrante da celebração. Quando não há Baptismo, faz-se a bênção da fonte baptismal e a renovação das promessas do Baptismo. Do programa ritual consta, ainda, o canto da ladainha dos santos, a bênção da água, a aspersão de toda a assembleia com a água benta e a oração universal. A Igreja antiga baptizava os catecúmenos nesta noite e hoje permanece a liturgia baptismal, mesmo sem a celebração do Baptismo.
4) A liturgia eucarística é o momento culminante da Vigília, qual sacramento pleno da Páscoa, isto é, a memória do sacrifício da Cruz, a presença de Cristo Ressuscitado, o ápice da Iniciação cristã e o antegozo da Páscoa eterna.

Estes quatro momentos celebrativos têm como fio condutor a unidade do plano de salvação de Deus em favor dos homens, que se realiza plenamente na Páscoa de Cristo por nós. Por consequência, a Ressurreição de Cristo é o fundamento da fé e da esperança da Igreja.
Gostaria de destacar dois elementos expressivos desta solene vigília: a luz e a água.
A Vigília na noite santa abre com a liturgia da luz, evocando a ressurreição de Cristo e a peregrinação de Israel guiado pela coluna de fogo. A liturgia salienta a potência da luz, como o símbolo de Cristo Ressuscitado, no círio pascal e nas velas que se acendem do mesmo, na iluminação progressiva das luzes da igreja, ao acender das velas do altar e com as velas acesas na mão para a renovação das promessas baptismais. O símbolo mais iluminador é o círio, que deve ser de cera, novo cada ano e relativamente grande, para poder evocar que Cristo é a luz dos povos. Ao acender o círio pascal do lume novo, o sacerdote diz: «A luz de Cristo gloriosamente ressuscitado nos dissipe as trevas do coração e do espírito» e depois apresenta o círio como «lumen Christi - a luz de Cristo». Quando alguém nasce, costuma-se dizer que «veio à luz» ou que «a mãe deu à luz». Podemos, por isso dizer que a Igreja veio à luz na Páscoa de Cristo. De facto, toda a vida da Igreja encontra a sua fonte no mistério da Páscoa de Cristo.
A água na liturgia é, igualmente, um símbolo muito significativo. «A água é rica de mistério» (R. Guardini). Ela é simples, pura, limpa e desinteressada. Símbolo perfeito da vida, que Deus preparou, ao longos dos tempos, para manifestar melhor o sentido do Baptismo. A oração da bênção da água faz memória da ação salvífica de Deus na história através da água. Com efeito, a água é benzida, para que o homem, criado à imagem e semelhança de Deus, «no sacramento do Baptismo seja purificado das velhas impurezas e ressuscite homem novo pela água e pelo Espírito Santo». Na tradição eclesial, a fonte baptismal é comparada ao seio materno e a Igreja à mãe que dá à luz.
O simbolismo fundamental da celebração litúrgica da Vigília é o de ser uma “noite clara”, ou melhor «a noite que brilha como o dia e a escuridão é clara como a luz». Esta noite inaugura o “Hodie - Hoje” da liturgia, como se tratasse de um único dia de festa sem ocaso (o dia da celebração festiva da Igreja que se prolonga pela oitava pascal e pelos cinquenta dias do Tempo pascal), no qual se diz «eis o dia que fez o Senhor, nele exultemos e nos alegremos» (Sl 118).

Padre José Cordeiro, Reitor do Pontifício Colégio Português (Roma)

Nota: Texto retirado do site http://www.agencia.ecclesia.pt/

Fami e Paulo

sábado, 23 de abril de 2011

O Tríduo Pascal


"O sagrado Tríduo da Paixão e Ressurreição do Senhor é o ponto culminante de todo o ano litúrgico, porque a obra da redenção humana e da perfeita glorificação de Deus foi realizada por Cristo especialmente no seu mistério pascal, pelo qual, morrendo destruiu a nossa morte e ressuscitando restaurou a vida. A proeminência que na semana tem o Domingo, tem a solenidade da Páscoa no ano litúrgico.
O Tríduo Pascal da Paixão e Ressurreição do Senhor, inicia-se com a Missa da Ceia do Senhor, tem o seu centro na Vigília Pascal e termina nas Vésperas do Domingo da Ressurreição."


Celebração da Paixão do Senhor - Sexta feira Santa

A sexta feira santa é um dia inteiramente centrado na Cruz e na morte de Cristo. Este dia, é um dia alitúrgico: dia (único no ano) em que não se celebra a Eucaristia e que nunca conheceu celebração eucarística.
A acção litúrgica da sexta feira da Paixão do Senhor atinge o seu ponto culminante no relato, segundo São João, da Paixão d'Aquele que, como o Servo do Senhor anunciado no livro de Isaías , se tornou realmente o único sacerdote, oferecendo-se a Si mesmo ao Pai.
A veneração da Cruz surge como resposta de toda a Assembleia à Paixão do Senhor. Não é um gesto de adoração de um símbolo da morte, mas adoração de Cristo, vencedor da morte.


Apresente-se a Cruz à adoração dos fiéis um por um, porque a adoração pessoal da Cruz é um elemento muito importante nesta celebração.

 

Sábado Santo

Este é o dia do grande silêncio.
"Um grande silêncio reina hoje sobre a terra; um grande silêncio e uma grande solidão. Um grande silêncio, porque o Rei dorme; a terra estremeceu e ficou silenciosa, porque Deus adormeceu segundo a carne e despertou os que dormiam há séculos."


A Igreja vive o silêncio do sábado santo, preparando-se assim para a festiva celebração da Vigília Pascal, da Ressurreição do Senhor.

"Não é coisa de grande vulto crer que Cristo morreu. Isto também o crêem os pagãos e os ímpios. Todos crêem que Cristo morreu. A fé dos cristãos consiste em crer na Ressurreição de Cristo. Consideramos coisa muito importante acreditar que Cristo resssuscitou."
(Santo Agostinho)

Fami e Paulo

Nota: Para a elaboração deste texto, foi utilizado um trabalho do Padre Carlos Cabecinhas, publicado no site http://www.agencia.ecclesia.pt/, denominado "Três dias de celebração na maior festa cristã".
Fotos: foram tiradas na cerimónia da adoração da Cruz, no Centro Tabor.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Dia da Terra no dia da Paixão e Morte de Jesus


"Com os pés na terra e o coração no céu." (Bento XVI

Dois pensamentos:
Num "cartoon" para o dia de hoje, Dia da Terra: "Este ano o dia da terra ainda tem mais significado. - Porquê? - Com a crise, SENTIMOS A TERRA A FUGIR-NOS DEBAIXO DOS PÉS..."

Na caminhada da Quaresma vivemos segundo o lema: "Firma os teus passos!" - CONFIA, DESCOBRE, DÁ, TRANSFORMA, CRÊ e ENTREGA!

Com os pés na terra... e o coração no céu! Uma decisão pessoal!

A Páscoa (Passagem) é uma realidade, mas viver a Páscoa é uma decisão pessoal!
A cruz que é elevada entre a terra e o céu!
A cruz que os homens fizeram para condenar a missão de Cristo ao fracasso:
- onde cravaram os pés que caminharam na terra para anunciar a Boa Nova: o amor de um Deus que é nosso Pai;
- onde cravaram as mãos que escreveram na terra a mais bela história do perdão e misericórdia de um Deus que é amor;
Essa é a mesma cruz que Deus utilizou para ser o símbolo da Vitória de Cristo no Plano da Salvação: "Quando eu for elevado da terra atrairei todos a mim" (Jo 12,32)
MP

Iniciou o Tríduo Pascal - Lava-pés


Iniciamos o Tríduo Pascal com a missa da Ceia do Senhor. Na última Ceia, Jesus instituiu a Eucaristia. O P. Carlos Alberto comentou este grande mistério, dando como exemplo de fé na Sagrada Eucaristia, os pastorinhos de Fátima, especialmente a Jacinta que falava do "Jesus escondido". Explicou a importância da simbologia, para uma vivência mais forte dos acontecimentos. Depois da homilia, fez-se a cerimónia do Lava-pés com 6 homens e 6 jovens à volta do altar. O Sacerdote tirou a casula, colocou a toalha à volta da cintura, ajoelhou à frente de cada um e lavou-lhes o pé, enxugando-o de seguida. Após a comunhão, o sacerdote, diante do altar, pôs incenso no turíbulo e, de joelhos, incensou por três vezes o Santíssimo Sacramento, que em seguida foi levado para o Santuário em procissão com todo o povo.
MP

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Um momento schoenstattiano no Dia Mundial da Juventude


Sete centenas de jovens estiveram envolvidos nas celebrações do Dia Mundial da Juventude que decorreram no sábado e domingo em Oliveira do Bairro, Aveiro, com a presença do bispo diocesano, D. António Francisco dos Santos.
O encontro mobilizou famílias de acolhimento, 160 voluntários, duas dezenas de párocos e elementos de nove congregações religiosas, responsáveis pela oração da manhã nas diversas paróquias. Schoenstatt esteve presente na paróquia da Palhaça. Os Institutos Seculares dos Padres e das Irmãs de Schoenstatt, juntamente com o Diogo e o André da JMS, prepararam e rezaram a oração da manhã com os jovens que esta paróquia acolheu.


Quero viver, assim como sou!
Uma vida plena, cumulada, livre.
Todos querem algo de mim - eu próprio também.
Esperam que eu funcione, que eu esteja bem, que tenha tudo na mão.
Mas eu não sou uma máquina. Eu sou um ser humano.
E quero viver, assim, como sou!
Diante de mim, está o futuro, a minha vida.
Tudo está aberto, cheio de fascinantes possibilidades.
O que devo fazer? O que faz realmente sentido?
Não. Isto não chega. Isto simplesmente não chega. Eu quero saber para que existo.
Quem sou?
Donde venho e a quem pertenço?
O que é que dá sentido e profundidade à vida?
Existe um Deus e sou digno d'Ele?
MP

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Novos livros de autoras schoenstattianas

Temos a alegria de informar sobre dois novos livros, em espanhol, de duas Irmãs do Instituto Secular das Irmãs de Maria de Schoenstatt. Uma riqueza para a Família de Schoenstatt e, especialmente, para a sociedade de hoje.
Uma reflexão a partir da teologia dos fundadores

Um novo livro que vem responder a perguntas que inquietam e interpelam a uma reflexão mais profunda sobre as comunidades e o seu Fundador.


A autora, a Irmã de Schoenstatt M. Elizabet (Virginia Parodi), na sua tese do doutoramento em teologia, analisou o vínculo de diversas famílias espirituais com os seus fundadores, aborda este tema, de uma maneira acessível a todos aqueles que buscamos compreender o modo mais profundo dos desejos de Deus para cada fundação e, em especial, para a Família de Schoenstatt.
Ler mais: http://cmsms.schoenstatt.de/es/news/1356/54/Nuevo-libro-El-vinculo-con-el-Fundador-Por-que-Para-que.htm
 
 
“Introduccción a la bioética clínica. Perspectiva personalista”de Irmã Elena Lugo, doutora pela universidade de Georgetown (Estados Unidos).


Ler sobre o conteúdo: http://www.aica.org/index.php?module=displaystory&story_id=26178&format=html&fech=2011-04-18



MP

Encontro de Páscoa para meninas


Jesus e a Mãe do Céu estão à tua espera, no Santuário de Schoenstatt, para um dia de actividades divertidas!
Será no dia 30 de Abril (sábado), das 10:00 às 17:30.

Para meninas dos 6 aos 11 anos.
Participa e traz uma amiga!

Informações e inscrição até ao dia 28 de Abril: 
Juventude Feminina: jfs.aveiro@gmail.com
Dirigente Rita Arvins: rita_arvins@hotmail.com - 913965753
Centro Tabor - Ir. Paula: ir.mariapaula@gmail.com - 234320290



terça-feira, 19 de abril de 2011

Seis anos de pontificado do Papa Bento XVI


A Cruz, a Fé e o destino de Pastor da Igreja!
Dois grandes homens do nosso tempo! João Paulo II, um santo amado e reconhecido. Papa Bento XVI, um homem transparente na fé e firme da Verdade!

O papa Bento XVI festeja esta terça-feira seis anos de pontificado em plena Semana Santa e poucos dias antes de beatificar no Vaticano o antecessor João Paulo II.
Fontes do Vaticano afirmaram que o dia será como qualquer outro, mas caso a tradição seja seguida, o papa almoçará com os cardeais presentes em Roma e será felicitado pelo cardeal decano, Ângelo Sodano.
Como aconteceu no passado sábado, quando fez 84 anos, Bento XVI passará o dia a trabalhar.
MP

segunda-feira, 18 de abril de 2011

6º Domingo da Quaresma - Domingo de Ramos


"Cristo humilhou-se e Deus exaltou-o"

Atitude - Entrega

Mensagem:
“A morte de Jesus é a consequência lógica do anúncio do “Reino”: resultou das tensões e resistências que a proposta do “Reino” provocou entre os que dominavam o mundo […]. Na cruz, vemos aparecer o Homem Novo, o protótipo do homem que ama radicalmente e que faz da sua vida um dom para todos. Porque ama, este Homem Novo vai assumir como missão a luta contra o pecado – isto é, contra todas as causas objectivas que geram medo, injustiça, sofrimento, exploração e morte. Assim, a cruz mantém o dinamismo de um mundo novo – o dinamismo do “Reino”.
(Guião da Diocese de Aveiro - "Caminhada Quaresma - Páscoa 2011)


"A nossa vida gira muito sobre nós próprios e os sobre os "nossos". Saber olhar para fora ajuda a criar novas dimensões da nossa vida. Faz algo pelos outros. Entrega a melhor parte da vida à tua família. Entrega-te a projectos de voluntariado. Jesus deu a sua vida por nós. Faz como Ele: dá a tua vida pelos outros."
(Campanha da Quaresma 2011 - Juventude Feminina de Schoenstatt)


Quem é este Jesus? É um herói que vem derrotar o mal com a sua força? É um profeta açucarado que só te diz o que gostas de ouvir? É um pregador fanático que te dispensa de pensares pela tua cabeça?
Nada disso. É Jesus de Nazaré que entra na cidade que O vai matar montado num burrinho, símbolo de paz e mansidão.

Entra, Senhor!
Entra nas nossas cidades! Entra nas nossas casas! Entra nas nossas vidas!
Entra, Senhor e traz-nos a bênção de Deus.
Entra com a tua palavra de libertação. Entra com o teu pão que sabe a eternidade.
Entra com a tua cruz que oferece salvação ao mundo. 
(Rezar na Quaresma - Ano A - Edições Salesianas)

Senhor, aumenta a nossa capacidade de nos entregarmos!

Fami e Paulo

Domingo de Ramos na Paixão do Senhor

Os ramos, a Cruz e a Mãe e Rainha - O Domingo de Ramos na nossa perspectiva.

Domingo de Ramos na Paixão do Senhor: é este o título que, após o Concílio Vaticano II, se atribui ao último Domingo da Quaresma. Foram assim sintetizados os dois aspectos mais importantes comemorados na liturgia romana actual deste dia.
Enquanto a liturgia romana conservou durante vários séculos o carácter severo do "Domingo da Paixão", como chamavam a esse dia os antigos Padres, outros ritos elaboraram uma liturgia cujo núcleo era o acontecimento da entrada triunfal de Jesus Cristo em Jerusalém, certamente por influência da liturgia local da Cidade Santa, desejosa de seguir cronologicamente os passos de Jesus Cristo durante os dias da Paixão.

"Pai, se é possível afasta de mim este cálice.
No entanto, não se faça a minha vontade, mas sim a Tua."

A reforma introduzida pelo Concílio Vaticano II simplificou os ritos da procissão de Ramos, aproximando-os mais dos usos primitivos da Igreja em Jerusalém e destacando mais o seu significado. Não se trata tanto de manifestar o simbolismo das palmas, trata-se sobretudo de render homenagem pública e solene ao Filho de David, ao Messias - Rei, imitando aqueles que O aclamaram como Redentor da humanidade. Com a proclamação da mensagem evangélica que narra o acontecimento da entrada de Jesus Cristo em Jerusalém, com que se inicia a procissão...

Benção dos Ramos, antes de se iniciar a Procissão

... e com as antífonas e salmos seleccionados para serem cantados durante o percurso, reactualiza-se o facto histórico, prefigurado pelas visões proféticas sobre as "entradas" ou manifestações de Deus no seu Santuário e no mundo.
(Excerto do Livro os Domingos da Quaresma - Ano A das Edições Salesianas)




"O nome de Semana Santa é importante. A vida é paixão. Um "apaixonado" nunca nos deixa indiferentes. Viver as coisas com "paixão" manifesta já o como nos são queridas. A forma de transmitir algo aos outros é "vivê-lo com paixão".
Começamos a Semana da Paixão. Jesus apresenta-Se-nos como quem está apaixonado pelas coisas do Pai. Desde a sua adolescência sabe que "se deve preocupar com as coisas do seu Pai". (Lucas, 2, 49).
(Excerto do Livro os Domingos da Quaresma - Ano A das Edições Salesianas)

Fami e Paulo

sábado, 16 de abril de 2011

Parabéns P.Ángel Strada e bem-vindo a Portugal


O Padre Ángel Strada festejou, no passado dia 26 de Março, o seu jubileu sacerdotal, na Casa do Pai no Monte Sião, em Schoenstatt. Quarenta anos de uma vida ao serviço da Igreja e de Schoenstatt, e nos últimos anos, dedicada à da Causa de Beatificação do Padre José Kentenich, como Postulador. Temos a alegria de receber o P.Ángel Strada em Portugal, no próximo mês. Estará nas 4 dioceses portugueses, onde existe um Santuário de Schoenstatt. Ela nos contará sobre a fase final do processo que em breve vai seguir para Roma, mas também do seu encontro com o nosso Pai e Fundador, de quem recebeu orientações para a sua vida.
MP

Foto: http://www.schoenstatt.de/

Schoenstatt - um caminho para a santidade


No dia 10 de Dezembro de 2010, um decreto papal, reconhece o martírio do sacerdote alemão Alois Andritzki, morto aos 28 anos de idade no campo de concentração de Dachau. A sua beatificação será no dia 13 de Junho de 2011. Alois Andritzki (1914-1943) era um jovem capelão sérvio, cuja morte resultou de maus tratos e provavelmente foi provocada por injecção letal. Ele agonizou, vítima de tifos que contraiu em Dachau.
Ingressou no campo de concentração no dia 2 de Outubro de 1941. Era considerado "pessoa perigosa" para o regime de Hitler. Em Dachau aderiu a um dos grupos de Schoenstatt, liderados pelos sacerdotes schoenstattianos: José Fischer e Henrique Dresbach. A esse grupo pertenceram também o beato Carlos Leisner, assim como Ricardo Henkes (sacerdote palotino cujo processo de beatificação já iniciou) e Gerardo Hirschfelder (pároco alemão beatificado o ano passado).
MP


sexta-feira, 15 de abril de 2011

Jardim do Ser e do Saber


O "Jardim do Ser e do Saber" do Centro Tabor, situado atrás da Creche Jardim de Maria, ficou mais bonito. O espaço já está todo coberto com um manto verde para alegria das crianças.



A crescer, está a árvore que foi plantada no dia 21 de Março numa acção conjunta das crianças da escola da Marinha Velha, da creche Jardim de Maria e do curso "Cultivar o Ser e o Saber" promovido pela Multiaveiro. Esta árvore chama-se "Ginkgobiloba", símbolo de paz e longevidade.

O Pai que eu amo!


Este foi o título que a Fátima deu ao seu testemunho. Ela faz parte da Equipa Padre Kentenich e conta-nos como e porque se inseriu nesta Equipa.
Através deste testemunho venho recordar que já está próximo o nosso encontro com o P. Ángel Strada em Maio e que depois da Páscoa daremos inicio a divulgação deste encontro.
Esta é uma excelente oportunidade de estar ao pé do Postulador da Causa de beatificação do Padre Kentenich e de ouvir o testemunho de alguém que o conheceu pessoalmente, além das informações referentes ao Processo.


"Depois de alguma caminhada espiritual começamos a sentir mais próximo aquilo que Deus quer de nós, para onde Ele nos chama. Nossa Senhora é a grande Educadora disso mesmo: “Eis aqui a Serva do Senhor faça-se em Mim segundo a Vossa palavra”. Assim eu desejaria ouvir sempre o Meu Senhor!
Quando em Outubro de 2010 decidi participar nas jornadas do Pe Kentenich e da Ir. Emilie, fi-lo porque amo este Movimento de Schoenstatt e tudo o que seja aprender dele é mais-valia no meu crescimento espiritual, e, assim “respondi à chamada” da Ir. Elisa, de colaborar na causa de beatificação do Pai Fundador, com o meu sim. Saber ao que ia, de facto não sabia, mas sentia que o coração me impelia a trabalhar nesta causa tão nobre.
Não sou erudita acerca da vida do nosso querido Pai Fundador, pouco sei, sei apenas que o amo, e, por isso ensinou em mim o AMOR A MARIA, A MÃE QUE ME LEVA AO PAI. Estou então aqui por esse amor, o amor da Mãe que pelo Pe Kentenich me levou e leva ao AMOR MAIOR, o Amor que brota do Céu cheio de inefáveis doçuras e nos transporta a vida em leveza, ainda que carregada das canseiras da vida.
O Pai Fundador ensina que no desprendimento do meu eu chego LÁ mais rápido e Deus ganha a luta comigo. Quem melhor que este SANTO HOMEM que na ternura e desprendimento, sua mãe o entrega aos cuidados do Amor Maior pelas mãos da Mãe, para me ensinar este principio? Para nos ensinar este principio?
Neste Pai eu compreendo a beleza de uma Mãe que sempre me espera no SANTUÁRIO, pronta a que eu lhe entregue as minhas confusões. LUGAR SANTO, LUGAR BONITO que nos deixou o Pe Kentenich. Aí a MÃE me acolhe, eu faço a experiência do esvaziamento, vazia me sinto preenchida, de uma transformação que só pode vir do AMOR MAIOR, nada faço para isso, mas a GRAÇA actua e eu venho mais forte, mais madura, mais pronta às lutas da vida, mais possuída de Deus e mais atenta à chamada…esse o meu desejo maior, que esta Escola, neste Movimento, pelo caminho do Pai Fundador eu descubra em Maria o projecto de Deus em mim.
Desejo pois honras de Altar para o Pai, pouco faço, mas tudo farei! Desejo pelo amor que me une ao Padre Kentenich, o realizar.
Vamos construir o seu Altar na terra, pois que no Céu cedo existiu: um dia e bem cedo pela mão de sua mãe da terra, depois com a MTA jamais desistiu do seu propósito, na saúde e na doença, na alegria e na tribulação foi um AMOR PARA A VIDA INTEIRA, como não poderia estar já ele aos pés do BOM PAI intercedendo por nós?!...
Senhor ajuda-me a ser melhor. Ajuda-me na escola de Maria, ajuda-me como barro em mãos de oleiro a mandar alegrias para o Céu, alegrar o coração daquele que intercede por mim! Ajuda-nos Senhor a que seja eu, sejamos nós, FAMILIA DO PAI, a mostrar ao Senhor que o queremos conhecido no mundo inteiro pela honra de Altar, para que assim a mensagem do Santuário vá mais longe no coração dos homens.
Senhor que se cumpra em mim a Tua vontade e assim cumpriste em mim aquilo que eu um dia conheci pelo teu servo muito querido, o Padre Kentenich.
Como comecei, termino. É pelo amor que me encontro aqui, serva inútil, mas de mangas arregaçadas para o trabalho, sempre que me chamarem eu vou, quero seguir JESUS pela mão da MÃE que o desprendimento, a ternura, a segurança, a determinação, …, um dia um Pai me ensinou.
Não sou erudita mas procurá-lo-ei ser cada vez mais nesta Escola de Amor pelo Acolhimento, Transformação e Envio.
Desejo que todos possam experimentar o que eu sinto nesta Escola: legado do Pai Fundador.

Obrigada SENHOR porque estou aqui e porque AMO O AMOR MAIOR: O BOM DEUS, PAI SANTO, E SÓ DESEJO NESTA FAZER A SUA VONTADE!"

FÁTIMA CRESPO

Irmã Elisa

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Atelier sobre o Padre Kentenich - Chamado a ser Pai


Na próxima sexta feira, dia 15 de Abril de 2011, vai realizar-se o quarto atelier dedicado ao nosso Pai e Fundador, Padre José Kentenich. Este encontro de estudo, que terá como tema "Chamado a ser Pai", ocorrerá pelas 21 horas, na Casa Padre Kentenich, no Centro Tabor e toda a Família de Schoenstatt está convidada a participar.
No mês de Março, o atelier teve como tema "Chamado à Aliança" e nele, pudemos aprofundar os antecedentes do 18 de Outubro de 1914.
Estudámos por exemplo, a mudança dos corações e das estruturas que o Pai e Fundador operou no Seminário dos Palotinos. 15 anos mais tarde, essas mudanças produziram os primeiros frutos e surgiu um novo sistema de formação, não só no Seminário Menor, mas também em toda a comunidade dos Padres Palotinos na Alemanha.


Analisámos também o Homem da fé prática na Divina Providência, numa perspectiva do segredo da fecundidade do Pai e também o seu grande salto de fé: o dia 18 de Outubro de 1914.

"A fé prática na Divina Providência é como uma segunda natureza para o Pai. A lei da porta aberta e todas essas leis que ele assinalava para o reconhecimento da vontade de Deus, são simplesmente o fruto da sua experiência pessoal. Esta atitude era inata nele. Muitas vezes disse que lhe bastava ver cair uma folha, escutar um cão a ladrar para perguntar: que quer Deus de mim com isto?
E aqui residia o segredo da sua fecundidade diante das pessoas. O Pai não só captava o que se passava no coração dos homens, mas a sua genialidade consistia em que era capaz de orientar essas inquietações de maneira que dessem fruto. É por isso que o Pai foi um homem criador de história."
(Extracto do livro Padre José Kentenich - Um Fundador, Um Pai, Uma Missão)


Como trabalho para casa, trouxemos uma frase para reflexão:

"Fé é o salto de amor, de ousadia e de confiança cega nos braços de Deus".


Boa reflexão e até sexta feira!

Fami e Paulo

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Retiro dos Missionários da Campanha da Mãe Peregrina


Quaresma é fazer um caminho! Um caminho interior, um caminho com o outro, um caminho com Deus! Os Missionários da Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt percorreram uma parte desse caminho pessoal e comunitário no passado sábado. O dia de retiro começou pelas 9:30 com a oração da manhã e uma pequena meditação sobre a coroa de espinhos. Ela é um tesouro que Jesus nos oferece, grátis! Ele próprio o pagou com o sangue e a vida. Cada um de nós recebeu esse "tesouro" para o conquistar com o seu amor durante o dia, oferecendo no final do retiro para o Capital de Graças. 


O impulso para o dia foi dado pelo P. Carlos Alberto que, a partir da aspiração diocesana da Quaresma, aprofundou a "consciência de Instrumento". No final recebemos umas perguntas para ajuda na reflexão pessoal.


A oração comunitária, Via-Sacra e Terço dinamizados, preencheu a parte da tarde. A Via Sacra rezada no "Jardim do Ser e Saber" destacou-se pelos textos da união de Jesus e Maria no caminho da cruz. Como a CMP prepara as coroações de todas as Imagens da Mãe Peregrina, fizemos um jogo de coroas em cada estação da Via Sacra. Depois da meditação e oração desse momento, recebemos pérolas de um terço como sinal do "Sim" de Maria ao plano de amor de Deus-Pai. Um "Sim" que pronunciou na "Hora da Anunciação" e jamais o retirou, mesmo junto à cruz.
No final, renovamos a consagração de missionário impulsionados pelas últimas palavras de Jesus: "Eis a tua Mãe! Eis o teu filho!"  E a partir desse momento o discípulo levou-a para casa!


Hoje, não só queremos levar Maria para nossa casa, mas também à casa do vizinho, do amigo, do desconhecido, a todas as casas!
Dois exemplos de uma vida consagrada a Nossa Senhora foram incentivo para nós rezarmos o terço.
Lembramos que o terço é uma oração muito nossa, que a Nossa Senhora de Fátima mandou os portugueses rezarem, mas é também a oração muito querida pelo Papa João Paulo II, que é um santo dos nossos dias, e que muitos de nós o vivenciou de perto. Recordamos alguns momentos da sua vida numa apresentação de imagens. Ele que se entregou nas mãos da Mãe de Deus e vivia dessa realidade: "Totus tuus".
Lembramos ainda a consagração do nosso Pai e Fundador a Nossa Senhora pela sua Mãe, aos 9 anos de idade, e especialmente a sua vida em Aliança de Amor com Maria. Durante o terço, ouvimos testemunhos sobre a maneira como o Padre Kentenich conduzia para a Mãe de Deus.
Maria, a Mãe e Companheira, que carregou o filho nos seus braços ao nascer e ao morrer, foi chamada para estar a seu lado, em toda a Obra da Redenção.

MP

Acredita que...

... de velhas peças de um carro se pode fazer uma bateria?

 Instrumentos bem originais serão tocados pelos alunos da Escola de Música do Centro Tabor.  Mas não só... guitarras, teclados, baterias, xilofones e muitos outros instrumentos.

Amanhã, quinta-feira  às 19 horas, no Centro Tabor

Aqui a música começa com os pequenitos de 3 anos. Está tudo a ficar pronto. Só falta mesmo o ensaio geral e a sua presença, com toda a sua a família.
MP
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...